Aumenta o número de pessoas na extrema pobreza e o de super-ricos

A pandemia aprofundou a desigualdade social, aumentando o número de pessoas em situação de extrema pobreza, segundo dados do Cadastro Único para programas sociais (CadÚnico). Em março de 2020, início da pandemia no Brasil, havia cerca de 13,5 milhões de pessoas nessa condição, contingente que, em março deste ano, havia aumentado em 784 mil pessoas, o que representa um crescimento de 5,8%.

Destaca-se, ainda, que o número de pessoas na extrema pobreza já havia aumentado entre 2019 e 2020, portanto antes da pandemia, em 3,0%. Isto é, entre o início de 2019 e o início de 2021, quase 1,2 milhão de pessoas ingressaram na extrema pobreza no Brasil, o que corresponde a um aumentou de 9,0%.

Em diversos estados do Nordeste, o número de pessoas na extrema pobreza, em março de 2021, ultrapassou 12% da população local, chegando a quase 15% no Piauí e a mais de 13% na Paraíba. Já no Sul, esse percentual era próximo de 3% no Paraná e de menos de 2% em Santa Catarina. Vale destacar que muitas pessoas na situação de pobreza extrema sequer fazem parte do Cadastro Único, simplesmente por não terem acesso à rede de proteção social, como é o caso de muitos moradores de rua.

Segundo pesquisa da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar (REDE PENSSAN, 2021), realizada no final de 2020, cerca de 116,8 milhões de pessoas “conviviam com algum grau de Insegurança Alimentar e, destes, 43,4 milhões não tinham alimentos em quantidade suficiente e 19 milhões de brasileiros(as) enfrentavam a fome”.

Adiciona-se que 67,3% das famílias brasileiras tinham algum endividamento em abril deste ano, maior percentual da série histórica da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEICCNC). Por outro lado, o número de bilionários brasileiros aumentou durante a pandemia. Segundo a revista Forbes (DOLAN, 2021), 22 brasileiros entraram ou retornaram à lista de pessoas com pelo menos 1 bilhão de dólares em patrimônio, em 2021. No total, são 65 brasileiros na lista e 2.755 em todo o mundo (660 a mais que no início de 2020).

A desigualdade social, histórica e estrutural tem se aprofundado nos últimos anos e medidas paliativas e desumanas – como a sugerida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, de alimentar os pobres com sobras de comida de restaurantes (CRUZ, 2021) – não vão à raiz do problema. É necessária e urgente a tributação incisiva sobre os mais ricos, com melhor distribuição de renda e riqueza, por exemplo, além de um conjunto de medidas que poderiam ser adotadas, como o resgate da política de ganhos reais para o Salário Mínimo.

 

Fonte: DIEESE

Leave A Comment